Cadastro Newsletter
Busca
PUBLICIDADE
Prêmio CP - 29/09/2016
Fotolia/Minerva Studio
05/05/2014 - 14h40
Dez dicas para aumentar as vendas de vinho em taça (II)
Aprenda a lucrar com os vinhos oferecidos pelo seu estabelecimento



Há algum tempo atrás, fiz algumas sugestões para aumentar as vendas de vinho em taça. Agora, mostro mais algumas, que recolhi pelas pesquisas que faço na internet e nas revistas que recebo todos os meses. Separei mais algumas sugestões para aumentar e rentabilizar as vendas de vinho em taça.

Elimine o desperdício – Por “eliminar”, não quero dizer apenas reduzir. Não há maior prejuízo na área de vinhos em taça do que o desperdício. Este ainda é o grande obstáculo que mantém a maioria dos restauradores longe deste tipo de serviço. Os sistemas de preservação têm melhorado muito nos últimos anos, com o controle correto da temperatura e relatórios de vendas por período. Obviamente, desperdício zero é o melhor para a rentabilidade, mas a redução de sobras ainda é a melhor alternativa.

Controle de dose – A dose média gira em torno 120 ml., portanto, uma garrafa deve render cerca de 5/6 taças. Treinar a equipe a servir o vinho de maneira adequada é outro desafio para o restaurante. Servir a dose correta e monitorar o volume servido em cada taça pode melhorar os lucros de suas vendas de vinho. Faça as contas comigo: se você serve 5 ml. a mais em cada dose, e serve 20 doses por noite (número baixo), são 100 ml. “jogados fora”. Isto representa 100 ml. x 300 dias = 30 litros de vinho JOGADOS FORA por ano. Prejuízo!!! Faça as contas…

Conheça a linha de preenchimento – Embora isso possa parecer estranho, só coloque vinho até a “linha imaginária”, não mais do que isso – e, para determinar qual é esta “linha”, consulte um sommelier. No entanto, esta regra pode ser esquecida, se você estiver servindo champanhe. A taça de champanhe deve ser completada até cerca de 2 cm abaixo da borda. Algumas velhas regras podem ser esquecidas com espumantes.

Utilize taças adequadas – Servir o vinho correto na taça adequada mostra ao cliente que o restaurante leva a sério o serviço de vinho. Os consumidores, cada vez mais, sabem a diferença entre uma taça abaulada projetada para um Borgonha/Pinot Noir e uma mais alongada para um Sauvignon Blanc. A taça correta também vai otimizar a intensidade de aromas, enfatizar sabores específicos, como um mais frutado, e vai manter o champanhe e vinhos espumantes sempre frescos e agradáveis ao paladar.

Monitore a temperatura – Muito quente… muito frio? Vinho servido na temperatura inadequada pode arruinar o serviço e custar muito mais do que uma taça de vinho. Na verdade, pode custar o cliente. Todo vinho tem uma temperatura adequada para ser servido. Os tintos devem ser servidos ligeiramente frescos, numa faixa de 13° a 17°. Os brancos, de 9° a 11°. É importante que você se envolva com a boa conservação e manuseio do vinho em todos os momentos.

Conservação – A guarda das garrafas abertas exige atenção especial. É possível encontrar no mercado equipamentos de conservação sem que haja prejuízo da qualidade. Se isso não for possível, consulte um sommelier para que ele o ajude a resolver esta questão.

Sirva vinhos ao longo do dia – O vinho, como a cerveja, ou qualquer outro aperitivo pode ser o início de uma longa noite de comemorações. Crie “happy-hours” com vinhos. Isto vai abrir o apetite dos clientes: queijos, embutidos, e um bom vinho. Assim como os aperitivos, os vinhos são altamente rentáveis para o restaurante, e atraentes para o consumidor.

A carta de vinhos e o cardápio – Faça das seleções de vinhos uma parte significativa das ofertas do cardápio, com vinhos especiais harmonizados com os pratos e crie festivais específicos, para promover itens para este fim, o que pode trazer os clientes de volta para ofertas sazonais ou ofertas de um vinho único e novo.

Visual – O cardápio é um veículo maravilhoso para exibir as opções de vinho, mas não deve ser o único meio para que os clientes sejam “cutucados” pelas suas ofertas. A exibição, sutil e visível do produto deve ser considerada.

Sommelier – Você não precisa ter um sommelier fixo no restaurante. Opinião pessoal: contrate-o apenas para que ele faça a harmonização dos pratos com os vinhos que você mantém em estoque. As sugestões de harmonização ajudam o cliente a fazer a escolha, por dar mais segurança e simplificar a tomada de uma decisão correta. Principalmente para quem não está habituado ao consumo de vinho, ou o faz raramente.


Fonte: Blog do Banas (www.unimarket.com.br)
Editora Nova Gestão Ltda. | Tels.: (11) 3562-3166 | (11) 3562-3170


Site desenvolvido por Lucia Cavalcanti