Cadastro Newsletter
Busca
PUBLICIDADE
Prêmio CP - 29/09/2016
24/03/2014 - 09h47
Porque os críticos de restaurantes são odiados
Esta matéria, tenho certeza, vai causar muita controvérsia e, mais ainda, polêmica. No entanto, e um tema que eu percebi ser recorrente


Donos de restaurante, em sua maioria, odeiam os críticos mais do que jamais possam imaginar. E, não é porque sejam más pessoas, embora alguns poucos o sejam, mas é porque são críticos de restaurantes.

Chefs – e donos de restaurantes – os odeiam, e têm esse direito. Na verdade, isto se aplica a qualquer comentarista da área, mas, especialmente, aos críticos, que são objetos de aversão particular por parte dos profissionais da área.

Na verdade, quem vigia estes vigilantes? – Adam Gopnik, crítico de gastronomia da revista New Yorker, fez, uma vez, uma declaração que continha tanta sinceridade, e força, que me fez pensar muito: ´´Todos os artistas em todos os campos desprezam todos os críticos o tempo todo´´. E, isto tem um motivo: qualquer um que pode fazer crítica sobre qualquer coisa, a qualquer momento, em qualquer lugar… Sem nenhum critério. E, sem conhecer absolutamente nada sobre o assunto em pauta. Se não existe critério, nem mesmo seleção – pergunta: como é feita a seleção destes críticos?

  • Perceba a mentira – quando o proprietário do restaurante identifica o ´´visitante fantasma´´ – que, às vezes, não é tão “fantasma” assim, o restaurante corre o monstruoso risco de levar um golpe maior do que a maioria das pessoas pode perceber. Pare imediatamente! Hoje, cerca de 95% dos ´´críticos´´ não passa de aproveitadores que pretendem se aproveitar da sua ´´pseudo-influência´´ para comer de graça. Ponto final. Aí, o restaurante perde o faturamento de uma mesa para atender a esse cara. O que significa que deixa de faturar com um cliente normal que poderia ocupar esta mesma mesa. E se o ´´crítico´´ ainda resolve tomar vinho, etc., o prejuízo é ainda maior.
  • Você tem que ser simpático com os ´´críticos´´ – Mentira! Quanto mais um dono de restaurante for forçado a fingir simpatia por um crítico, mais ele vai odiá-lo. Faz parte da natureza humana se rebelar, violentamente, contra essa palhaçada.
  • Alguns (ou a maior parte) destes críticos não têm nenhuma ideia sobre o que estão falando – uma das maiores e mais detestáveis ´´verdades´´ sobre os textos escritos sobre os pratos é a forma como a coisa toda gira em torno da perspectiva do redator. O restaurante, sob o olhar deste tipo de “jornalista”, é, na maior parte das vezes, um cardápio assimilado sob sua (do crítico) própria perspectiva. O esforço despendido por trás dele fica totalmente fora de foco, como é o fato de que um prato que o “crítico” provou naquela noite e que sofreu uma pequena variação em relação à prova anterior.
  • Seus direitos – Da mesma maneira que estes ´´críticos´´ têm o direito de falar bem, ou mal, do seu restaurante, você também tem o direito de se defender – e responder. No mesmo espaço e no mesmo veículo de comunicação. Se você não convidou o “jornalista” a fazer uma visita ao seu restaurante, e ele fez uma crítica no jornal local, você tem o direito de responder e ponto final. É um direito seu. Se o veículo for sério, você terá seu direito respeitado. Caso contrário, há os caminhos judiciais. Mas, aí, você já estará tratando com a imprensa ´´marrom´´.
  • Inconstância acontece (até mesmo com você) – mesmo que um crítico não seja preconceituoso ou mal informado, suas opiniões são publicadas e assimiladas como definitivas. Quando existe o sistema de ´´várias visitas´´, na maior parte das vezes, existe uma equipe que está por trás e que procura ´´carimbar´´ a opinião do crítico titular. Nada mais do que isso. Isto existe, e, todos sabemos disso.
  • Alguns deles são ´´puxa-saco´´ – alguns críticos de culinária são impostores. Eles te dizem o quanto adoraram tudo, e quão espetacular você é, e nunca mais vão escrever qualquer linha, em qualquer jornal, ou revista, sobre seu trabalho. Eles pretendiam, apenas, almoçar e/ou jantar de graça. E fazer um comentário qualquer num veículo (revista, rádio, jornal, etc..) que ninguém lê.
  • Eles têm o poder, mesmo os ´´bandidos´´ – críticos têm poder para ajudar ou prejudicar os restaurantes, mesmo os mais fracos e menos qualificados deles (críticos). Qualquer idiota com um veículo de comunicação nas mãos pode ajudar ou prejudicar o seu negócio, influenciando até mesmo o mais fiel dos seus clientes.
  • Eles são arrogantes – Muitos destes críticos são arrogantes e, como tal, pensam que são inteligentes, porque são muito burros para conhecer qualquer outra forma de pensamento. Essas pessoas são granadas preparadas a explodir se as suas mentes infantis encontrarem um caminho que os beneficie.

Você, proprietário de restaurante, ou chef, é, um artista, à sua maneira.

Apesar da minha revolta através deste texto, meus respeitos aos VERDADEIROS CRÍTICOS GASTRONÔMICOS deste país. E, os temos, tenho certeza.

Fonte: Blog do Banas (www.unimarket.com.br)

Editora Nova Gestão Ltda. | Tels.: (11) 3562-3166 | (11) 3562-3170


Site desenvolvido por Lucia Cavalcanti