Cadastro Newsletter
Busca
PUBLICIDADE
Prêmio CP - 29/09/2016
04/09/2013 - 13h41
Fiscalização dos azeites no Brasil está melhor, mas ainda é falha
A nova norma determina que os produtos passem por análise físico-química e vistoria de rótulos assim que chegam em solo nacional.


Até 2011, cabia à Agência Nacional de Vigilância Sanitária o papel de fiscalizar os azeites importados que desembarcavam no Brasil.

Isso mudou em 2012, quando a responsabilidade foi transferida ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

A mudança foi festejada pelo setor. ´´A Anvisa só se preocupava com riscos que o produto poderia oferecer à saúde e não focava nas fraudes. Azeites misturados a outros óleos lesam o consumidor, mas não fazem mal´´, diz Rita Bassi, presidente da Oliva, Associação Brasileira de Produtores, Importadores e Comerciantes de Azeite de Oliveira.

A nova norma determina que os produtos passem por análise físico-química e vistoria de rótulos assim que chegam em solo nacional. Mas, como faltam laboratórios, os importadores podem apresentar laudos emitidos no país de origem, desde que credenciados pelo ministério.

Como o sistema ainda é falho, a Oliva desenvolve um programa paralelo. ´´Vamos aos mercados e selecionamos azeites extravirgens muito baratos ou que acabaram de chegar ao país e enviamos para análise´´, diz Rita.

Quando uma fraude é detectada, o importador tem 15 dias para apresentar contraprova. Caso contrário, entra para uma lista negra - divulgada no site (www.oliva.org.br ). ´´Não temos poder de polícia, não há como retirar o produto do mercado. Tem sido um trabalho de formiguinha, mas que começa a apresentar resultados.´´

Fonte: Folha de São Paulo - 04/09/2013

Editora Nova Gestão Ltda. | Tels.: (11) 3562-3166 | (11) 3562-3170


Site desenvolvido por Lucia Cavalcanti